Palmelense F.C.

Ano de Fundação 1924
Ground Campo Cornélio Palma
Capacity 500
Morada Palmelense Futebol Clube

O Palmelense Futebol Clube é um clube desportivo português, localizado na vila de Palmela, distrito de Setúbal. A prática desportiva começou no Campo Cornélio Palma, mas devido ao elevado número de atletas, o Palmelense Futebol Clube utiliza também o relvado do Complexo Desportivo Municipal de Palmela.
Como qualquer outra história, que começa sempre por “era uma vez”, no Palmelense também isso sucedeu quando “era uma vez” um grupo de rapazes que como em qualquer outra terra tinham o desejo de praticar desporto! Como o mais fácil e prático seria o futebol, juntavam-se aos domingos, formavam um grupo, e iam jogar à bola. Sem qualquer tipo de oficialização deslocavam-se e outras vezes recebiam, rapazes da Moita, Barreiro, Alhos Vedros, Setúbal, Quinta do Anjo, etc. onde a intenção era apenas e só a diversão. Até que cansados de jogar a brincar, decidiram oficializar a sua existência e resolveram criar um clube a que deram o nome de Palmelense Foot-ball Clube, criando os seus estatutos no dia 8 de Abril de 1924. Como na época estava em organização a criação da Associação de Setúbal, foi o Palmelense um dos nove clubes fundadores da AFS.
Assim terá ficado para a história o nome dos primeiros rapazes que se envolveram na iniciativa de que aqui recordamos alguns deles: Doménico Fidalgo, Abílio Coelho, Tomáz Duarte, Pedro Mares, Garibaldy Pinto, Dâmaso, Zé Carneiro, Lúcio Silva e muitos mais, sem jogar, mas apoiando na retaguarda tais como Manuel Lopes, Xavier Santana e João Caçarino.
Criado o grupo, tornava-se necessário dotar o espaço para a competição, agora já com a obrigação de normas e regulamentos oficiais. E foi assim que surgiu o campo baptizado com o nome de Cornélio Palma, em homenagem a um antigo soldado romano, com ligação à criação desta terra. Com o aparecimento da equipa de futebol, seguem-se as participações nos campeonatos da Associação de Futebol de Setúbal, na maioria na 1ª divisão, passando esporadicamente pela 2ª, onde conquistou o titulo de campeão por três vezes. Numa fase de maior esplendor, disputou diversos anos o campeonato nacional da 3ª divisão e tendo estado na 2ª divisão nacional na época de 1946/47 com um grupo exclusivamente de Palmela com a excepção de Maximino, jogador-treinador, e tendo obtido brilhantes resultados. Ao longo dos anos, jamais deixou de participarem provas oficiais, umas vezes com maior sucesso e outras nem tanto, mas sempre elevando com muita dignidade, o seu nome, bem como o da vila de Palmela.
Será de toda a justiça salientar o trabalho bem desenvolvido, tendo produzido no seu seio, muitos jogadores que têm atingido os patamares cimeiros do futebol português. Lembramos alguns, e como sempre acontece, corremos o risco de esquecer outros também dignos. Aqui vão: Octávio, Gomes da Costa, Ventura, Quim Chula, Virgílio, Jaime Graça, Camolas, Rui Assis, Bernardino Coelho, Leonel Borrego, Rui Fruta, Serradura, e muitos mais que singraram noutras equipas de nomeada, sem esquecer alguns que sempre recusaram abandonar o Palmelense tais como Pinóia, Lucilio e Terrinha. Mas sem dirigentes de mérito não teria sido possível tanto sucesso. Evoquemos aqui ao acaso Manuel Ribeiro, José Luís Dupont, Mário Oliveira, Manuel Pereira, João Pereira, Manuel Lucas Pereira, Quim Nunes, Nicolau da Claudina, Hélder Camolas. E continuando a falar do passado, o Palmelense não foi apenas futebol. As modalidades de andebol em diversos escalões, quer femininos, quer masculinos, no basquetebol feminino, atletismo com um campeão nacional – Daniel Pó, no ciclismo que durante muitos anos coleccionou troféus m todas as provas em que participava, tendo mesmo saído daqui um posterior vencedor da Volta a Portugal. Adelino Teixeira foi o vitorioso que muito nos honrou e prestigiou o clube. Mas tivemos também o ténis de mesa com o Ernesto Papa como principal animador. Xadrez, damas e outras mais terão surgido esporadicamente com passagens fugazes.
E passando para a actualidade, poderemos assegurar que o dinamismo e o entusiasmo voltaram a surgir, depois de um período menos bom, com condições deveras complicadas, pondo mesmo em risco a existência do clube. A fase má deverá estar ultrapassada e os responsáveis que hoje dirigem o nosso clube estão verdadeiramente empenhados em voltar a colocar o “barco” em posição navegável. Os graves problemas de ordem financeira, vão paulatinamente voltando à normalidade, excepção feita ao financiamento da Caixa Agrícola que exigiu a penhora da antiga sede do clube. Abrimos um parênteses para dizer que em termos patrimoniais o clube é deveras sólido, visto que é proprietário das instalações do Cornélio Palma e da sede na Rua Serpa Pinto.
No que concerne à prática desportiva o Palmelense conta hoje com cerca de 320 atletas em diversas modalidades e escalões. O Cicloturismo tem cerca de trinta participantes. A equipa de futebol de veteranos conta com 28 antigos atletas. Nos chamados escalões de formação podemos dizer sem sombra de dúvida que o Palmelense dispõe a nível distrital das melhores escolas de formação de futebol, contando com cerca de duzentos e vinte atletas nos escalões de escolas, infantis e iniciados disputando com sete equipas as provas da Associação de Futebol de Setúbal. As equipas de Juvenis e Juniores, após dois anos um pouco irregulares, com o objectivo a perder-se por pouco, abordam os respectivos campeonatos com a ambição de atingir o seu verdadeiro lugar isto é, a primeira divisão distrital.
Atualizado: 17 Novembro, 2018.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Matches against Palmelense F.C.

  • 7 games
  • 3 wins
  • 1 draws
  • 3 losses